FRAGMENTOS DA HISTÓRIA DA COLÔNIA ABRANCHES II

João José Pedrosa presidente da Província do Paraná de 04-08-1880 a 03-05-1881. (1)
João José Pedrosa presidente da Província do Paraná de 04-08-1880 a 03-05-1881.

 

Continuação da edição 216, julho 2020.
Cronologia: 10/11/1873, é nomeado oficialmente como Colônia Abranches, pela Câmara Municipal de Curitiba o núcleo que passa a ser ocupado por imigrantes polacos em sua maioria e alguns islandeses, ao Norte de Curitiba. 19/11/1873, o primeiro registro oficial da Capela existente na Colônia Abranches, devotada à Sant’Ana. 30/11/1874, inauguração da reforma com ampliação da Capela na Colônia Abranches, devotada à Sant’Ana, com a presença de autoridades civis, militares e eclesiásticas. Errata com detalhamento: quando no 3º parágrafo da transcrição da matéria sobre a reinauguração da Capela, edição 216, transcrevemos o texto “Affigurava-se-nos ainda haver nesse cântico uma supplica pelos destinos da terra de Kosciuszko, pelos bravos que jamais descreem da libertação da pátria. E a Providencia, lembrando a terrível sentença que proferira pelos lábios do vencido de Maeijouice – finis Polonid -, como que parecia dizer aos que assim lhe suplicavam:” corrigido pela brilhante mente e cultura do Pe. Lourenço Biernaski ao ler a matéria, o correto é “Maciejowice – finis Poloniae”. Maciejwice é a cidade milenar da Polônia onde o Tenente-General Andrzej Tadeusz Bonawentura Kosciuszko assinou a rendição na batalha de 10 de outubro de 1794 para o Império Russo, quando inclusive foi preso, seguido da terceira partilha do território polonês em 1795, significando o final da Polônia para sempre como país independente. 21/07/1875, nomeação do 1º capelão para as colônias, Abranches e Pilarzinho, Pe. Mariano Grzenski, acumulando as funções de capelão e professor, o qual deixou as funções em 27 de outubro do mesmo ano. 27/09/1876, nomeado oficialmente capelão das colônias Abranches, Santa Cândida, e Pilarzinho, o Pe. João José Rodrigues. 16/04/1877 é nomeado o Pe. Antonio Joaquim Ribeiro, capelão das colônias, Santa Cândida, Abranches, Pilarzinho e Lamenha Lins.
Dom Pedro II, Imperador do Brasil, foi homem muito religioso e temente a Deus, e por isso nunca deixou de apoiar a estrutura das colônias quanto às suas lideranças religiosas, facilitando a colocação de padres, freiras e pastores a soldo do Império através do Ministério da Agricultura que provia os salários e outros direitos. As verbas para construções de “casas canônicas” que em muitas vezes já serviam de escolas, eram repassadas às Províncias através do Ministério da agricultura e estas faziam chegar às mãos dos religiosos através dos seus Departamentos de Thesouro. Na maioria das colônias eram estes religiosos incumbidos também das escolas que eram distintas, masculinas, femininas ou promíscuas (para ambos os sexos).
O atendimento dos capelães à época da colonização polonesa da região Norte de Curitiba era muito difícil, através de picadas ou estradas incipientes. A partir de 1876 um capelão era nomeado para atendimento espiritual aos moradores das colônias, Abranches, Pilarzinho, Santa Cândida e Lamenha Lins, nome original da Colônia Lamenha, que mais tarde foi subdividida em Lamenha Pequena e Lamenha Grande. A Colônia Abranches, como se pode ver em mapa de Curitiba do ano 1915, ia da atual Vila Suiça ao Bairro Ahú, envolvendo parte da Bairreirinha, no sentido noroeste a sudeste até a nascente do Ribeirão Juvevê, que é afluente do Rio Belém.
Em 16 de abril de 1877 com o período de férias e tratamento de saúde do capelão João José Rodrigues por três meses, assume em seu lugar interinamente o padre Antonio Joaquim Ribeiro as capelas de Santa Candida, Lamenha Lins, Abranches e Pilarzinho, sendo logo depois efetivado, inclusive com a indicação de tornar moradia a casa recém construída junto à Capela de Santa Cândida, e a 19 de dezembro através de ofício do Presidente Joaquim Bento de Oliveira Junior, o qual presidiu a província de 17 de agosto de 1877 a 07 de fevereiro de 1878, o Padre Antonio passa a receber mensalmente “30U000 mensaes para cavalgadura, a contar de 01 de agosto findo em diante, visto como de igual favor gosam todos os médicos como os capelães das demais colônias”. Ou seja, já existia o Decreto com finalidades financeiras e efeito retroativo.
Através do aviso nº 99, de 23 de dezembro de 1878 do Ministério da Agricultura, tem seu nome aprovado e é nomeado pelo presidente da Província, Rodrigo Octávio de Oliveira Menezes, que exerceu as funções de 23/03/1878 a 31/03/1879, para capelão das colônias, Abranches, Santa Cândia, Lamenha e Pilarzinho o Pe. Ladislau Grabowski, com a gratificação anual de 800U000 (oitocentos mil reis), de acordo com publicações da época. Também encontramos sobre o Padre Grabowski publicações com a seguinte ordem do presidente ao tesoureiro da província, dia 20 de março de 1879 “ao capellão das colônias S. Candida, Abranches e Lamenha mande v.s. abonar a contar de hoje a quantia de 30U mensais para cavalgadura, visto este padre parochiar também a colônia do Pilarzinho”.
Ao encontrar as instalações tanto da Capela quanto da “casa paroquial” muito acanhadas, além do terreno exíguo e falta de um espaço para construção do cemitério da comunidade o Pe. Grabowski inicia uma campanha hercúlea entre os seus “paroquianos” para reunir fundos suficientes com o objetivo de dotar a comunidade católica da Colônia Abranches do necessário, e embora encontrando má vontade da colônia polaca de Santa Cândida que era dotada de todas as instalações, por haver este como capelão decidido fixar residência na casa junto à Capela da Colônia Abranches. Observa-se que o ciúme e intrigas entre “paroquianos” de uma mesma etnia não é novidade, tanto que a 28 de março de 1881, depois de muito pedir, os moradores de Santa Cândida conseguiram a dispensa dos trabalhos do Pe. Grabowski nesta colônia. Mas a campanha de arrecadação liderada pelo capelão, Pe. Ladislau Grabowski, de 1878 a 1880 foi bem sucedida conforme se observa a seguir.
Com esta campanha onde contribuíram para as benfeitorias da capela, compra de mais terrenos no entorno desta, melhoramentos e ampliação da moradia e para a instalação de um cemitério, se fizeram presentes as demais colônias da região. Foram contribuintes pelas colônias respectivamente:
Abranches: Jan – Bárbara Szczepanski Wojciech Mikosz, Jan Dunajski, Józef Szczepaski, Johanna Dubiela (viúva), Józef Szwonka, Szymon Kalinowski, Ignacy Glodzinski, Andrzej Kracki, Józef Lengowski, Jakób Kalinowski, Ignacy Nowakowski, Franciszek Brzezinski, Jakób Amplewski, Józef Grochowski, Andrzej Lengowski, Anna Wierzbicka (viúva), Jan Szynka, Szymon Grabowski, Józef Krasinski, Franciszek Czerwinski, Jan Piekarski, Franciszek Stejmowski, Edward Denbinski, Jan Zawadzki, Michal Góras, Michal Mikosz, Józef Mikosz, Wojciech Kucek, Jan Dubiela Komornik, Adolf Hertal Niemiec, Jozef Szwarca, Elzbieta Rafalska (viúva), Michal Kaszubowski, Pawel Brzozowski, Marcin Dydelec, Piotr Aftka, Jan Godzinski, Katarzyna Dybowska, Jakób Kozlowski, Izydor Lengowski, Michal Szlichta, Katarzyna Kowalska, Karolina Flizikowska, Katarzyna Chyla, Antoni Krainski, Michal Skrocki, Ignacy Iwanski, Piotr Paluchowski (Górski F), Jan Cyman, Walenty Dyrda, Pawel Dombrowski, Franciszek Szwonka, Ferdynand Majer, Jakób Dolata, Szymon Poltka. Edward Denbinski, Jan Zawadski, Sebastian Kozien, Feliks Kozien, Michal Góras, Michal Mikosz, Jósef Mikosz, Wojciech Kucek, Jan Dubiela Komornik, Adolf Hertal Niemiec, Jonf Skwarc Niemiec, Fryderyk Korna, August Bunik, Jan Banach, Michal Resner, Walenty Otto, Roch Otto, Franciszek Piekarski, Jan Otto, Jan Dolata Rowal, Michal Dybka, Jan Sobianski, Hipolit Kowalski, Józef Kuk, Wawrzyniec Grzyborz, Józef Kalinowski, Marcin Lasfa, August Kucek,
Pilarzyna: Bernard Fila, Filip Kokot, Gasper Gbur, August Waldera, Szymon Otto, Andrzej Pampuch, Marcin Prudlik, Blazej Macioszek, Jan Matuszewski, Antoni Kania, Pawel Semicek, Ignacy Miterz, Marek Niemiec, Jakób Nalewaja, Szymon Purkot, Tomasz Miterz, Bonawentura Polak, Franciszek Polak, Marcin Kempa, Wojciech Polak, Fabian Barcik, Pawel Polak, Urban Pampuch, Marcin Wantuch, Józef Kania, Franciszek Kukul, Franciszek Kania, Józef Kret.
Lamenha: Antoni Wloch, Tomasz Kozlowski, Wojciech Piotrowski, Walenty Niemiec, Józef Brzezinski, Onofry Flizikowski, Jan Zielinski, Jakób Sledz, Pawel Staszewski, Jan Jablonski, Jan Kolassa, Józef Wicki, Ignacy Krzyzanowski, Jan Puckowski, Józef Marach, Michal Slusarski, Michal Bora, Jan Krzyzanowski II, Ignacy Rajski, Franciszek Sledz, Jakób Kasperski, Michal Kaminski (pai), Jan Chojenski, Michal Kaminski (filho), Piotr Szulca, Michal Brant, Marianna Wetnowska, Pawel Sowianski, Pawel Ponczkowski, Jan Tomaszewski, Michal Borkowski, Józef Tomaszewski, Jan Zgoda, Jan Lódka, Ignacy Ponczek (Czukiewicz), Franciszka Szczepanska, Jan Lamek, Marcin Ponczek, Teodor Piontkowski, Józef Kryfta, Franciszek Trajder, Michal Krzyzanowski II, Jan Krzyzanowski I, August Muchowski, Pawel Kuchta, Jan Klejna, Józef Glowacki, Jakób Denbicki, Marcin Popija, Tomasz Lipski, Jakób Polakowski, Marcin Borowski, Pawel Matuszewski, Józef Grabowski, Piotr Piontkowski, Franciszek Bugalski, Józef Ponczek, Antoni Milowski, Franciszek Zelner, Jan Domachowski, Pawel Dlugonski, Michal Domachowski, Franciszek Gotynski, Tomasz Szprada, Roch Chmielecki, Mikolaj Szprada, Marianna Jablonecka, Jan Meger, Tomasz Kozlowski (Stary), Jan Kolassa – pai, Jan Kejdrowski, Franciszek Kolassa, Teofil Morawski, Józef Zinier, Anna Malinowska –viúva, Jakób Piotrowski, Jan Dunajski, Franciszek Ciesielski, Wawrzyniec Szulca, Jan Grybowski, Andrzej Graowski, Karol Trylot, Józef Szapanski, Józef Groszewicz, Tomasz Lesniakowski, Szczepan Popija, Jakób Ormianin, Jan Ciesielski, Franciszek Blencki, Piotr Gappa, Jan Glowacki, Aleksander Nadolny, Michal Krzyzanowski I, Franciszek Polak, Katarzyna Grabowska, Blazej Polak, Szymon Brzoza, Jakób Zgoda, Jakób Szwarca, Jan Gappa, Pawel Dombrowski, Katarzyna Wntuch (Tekla), Karol Bajtler, Michal Kurowski, Wilhlem Palkowski, Feliks Szulca, Marcin Brant, Antonina Klejna – viúva, Jan Oslowski, Mateusz Popija, August Ronkowski, Wojciech Krauza, Jan Kukul, Józef Purkot, Jan Pucha, , Michal Waclawik, Michal Trojan, Tomasz Górski, Franciszek Noch, Adam Czoher, Franciszek Urbanski, Jan Szopa – pai, Jan Slomski, Piotr Potulski, Jan Wicher Fº, Jan Sobota, Marcin Kaminski, Andrzej Brenny, Onufry Rulanski, Andrzej Krzyczmer, Anastazy Pucha, Wojciech Henek, Franciszek Meger, Norbert Skóra, Franciszek Langa, Baltazar Czech, Maciej Lipinski, Henryk Franske, Michal Slomski, Michal Nikicz, Józef Oslowski, Jan Malanja, Jan Wicher – pai, Jan Waclawik, Józef Sochaczewski, Pawel Kukla, Antoni Kolassa, Szymon Psiorz, Ignacy Borkowski, Franciszek Boras, Karol Grona, Piotr Paluchowski, Józef Kaminski, Leon Bugalski, Franciszek Slenzak, Feliks Popija, Onufry Flizikowski.
Bakatuba: Jan Zyla, Piotr Brzezinski, Jan Mitonski, Ignacy Lipski, Jan Sislawski, Wawrzyniec Modkowski, Józef Mankowski, Ignacy Groszewicz.
Também nas páginas 13 e 14 do livro Plebanja – Skladki 1878, encontramos a seguinte nota: “Verificou-se, que este pedaço de terra que foi comprado do João Godzinski não era suficiente para dele formar um pouco de lavoura para semeadura e para pasto de três cavalos e um par de gado, foi deliberado pois para comprar estes dois pedaços de terra que se uniam com aquela já antigamente adquirida e dos quais um pertencia para Catarina Dubowska e outro para Augusto Ligman. Para realizar isso, foi preciso antes comprar a terra do Pe. Grabowski que estava perto da casa paroquial e fazer a troca com Augusto Ligman, o qual certamente porque a terra dele era um tanto maior do que a do Pe. Grabowski, pedia concessão 400$000, no que tinham que concordar a fim de que toda a terra paroquial estivesse junto para a comodidade dos pastores de almas dirigindo a paróquia de Abranches.
Como o terreno que o Pe. Grabowski adquiriu do Brasileiro não foi legalmente escriturada conforme as formas da Câmara Municipal, por isso, adquirindo a para a paróquia de Abranches para tempos perpétuos, era necessário fazer tudo segundo as formas (normas)  legais, a fim de evitar no futuro conflitos com a família dos primeiros donos, como também no futuro requerer a isenção de imposto desta terra. Os documentos relativos a ela tinham a marca de plena legalidade. Portanto as despesas da transferência do Brasileiro para o Pe. Grabowski, dele porém, para Augusto Ligman com o qual novamente houve a troca legal com a chácara dele ligando-se com o terreno paroquial.
Conforme os recibos confirmam, as despesas da transferência chegaram a 119$000.  O dinheiro para isso foi tirado da Caixa dos enterros.”
Em anotações do então secretário da casa “paroquial”, que foi responsável pelo início da organização dos livros, Szymon Grabowski, o total desta arrecadação foi de 1.960$000 (um conto e novecentos mil reis).
Quanto aos valores das doações por cada um dos contribuintes das várias colônias e distrito, os encontramos também, mas por questões legais e éticas não os divulgaremos por considerar de menor valor histórico e preservar os descendentes destes.

O cemitério da colônia foi oficializado com a bênção do dia 12 de outubro de 1879 em cerimônia solene com missa celebrada pelo vigário da capital, Padre Agostinho Machado Lima e concelebrada pelo capelão Ladislau Grabowski, às 10:00 horas, os quais após a celebração se dirigiram ao terreno do cemitério abençoando-o. Participaram desta cerimônia além dos clérigos citados e a população da colônia, autoridades vindas do centro da cidade, como, o senhor Presidente da Província desde 23 de abril de 1879, Manuel Pinto de Souza Dantas Filho, que contribuiu com uma doação financeira para o empreendimento, o senhor secretário de governo e o agente oficial de colonização. Todos sendo recepcionados por um bem servido almoço na casa “paroquial” do Abranches.
Um expediente que nos chamou a atenção na história das comunidades paroquiais é o abaixo assinado pedindo a transferência de padres e capelães, ou seja, o que se vê nos dias de hoje em algumas paróquias não é novidade, o “exemplo” vem de séculos passados, pois o jornal Dezenove de Dezembro do dia, 06 de dezembro de 1880, traz a seguinte publicação de correspondência recebida pelo presidente da província, que havia assumido dia 04 de agosto de 1880, João José Pedrosa, “Ministério dos negócios da agricultura, commercio e obras publicas. – Directoria de agricultura. – 3ª secção. – N. 137. – Rio de Janeiro, 25 de outubro de 1880. – Illm. e Ex. Sr. – Com o officio de 26 de agosto ultimo remetteu V. Ex. o requerimento em que diversos colonos do núcleo Pilarzinho queixam-se do capellão padre Ladisláo Grabowski, e pedem lotes maiores e a isenção do foro que pagam á câmara municipal desta capital. Em resposta declaro a V. Ex. que já foi indeferido um requerimento em que colonos da Santa Candida pediram a substituição do mencionado capellão, e que á referida câmara municipal cabe resolver sobre a concessão de lotes maiores e a isenção de foro. Deus guarde a V. Ex. – M. Buarque de Macedo. – Sr presidente da província do Paraná. – Cumpra-se e publique-se. – Palacio da Presidencia do Parana, em 2 de Novembro de 1880. – Pedrosa”.
Colaboração: Volnei Lopes da Silva. Agradecimento especial ao dedicado Padre Lourenço Biernaski, que mesmo com os seus 91 anos de vida não mede esforços em nos disponibilizar livros históricos e traduzir textos em polonês e até em latim, enriquecendo este trabalho de pesquisa.

Capelania do Abranches - Pilarzinho - Lamenha e Santa Cândida
Capelania do Abranches – Pilarzinho – Lamenha e Santa Cândida

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Next Post

LENDAS URBANAS : Casa mal assombrada II

Continuação da edição anterior. O Repórter e o vizinho Hermann dirigiram-se à casa onde a família já os aguardava reunida e ainda assustada. Após apearem, enquanto Jan, o filho mais velho do casal acomodava os cavalos no estábulo, entraram e o vizinho fez a devida apresentação. “Este moço é de […]